sábado, novembro 12, 2016

os galos e os americanos

Mais de duas mil e quinhentas toneladas de lixo italiano chegaram a Portugal, sem nenhuma pompa nem nenhuma circunstância, para serem eliminadas em aterro pátrio. Apenas breves notícias em estafadíssimos jornais deram nota dessa chegada, que não teve honras de estadismo de nenhuma espécie, nem bandeira içada com garbo, nem hino desafinadamente entoado.
A notícia, que é coisa nova - deste género e, assim de repente, apenas me lembro de variadas lavagens em águas nacionais de cargueiros e petroleiros muitos, que deixam, como obviamete se previa, resíduos imensos nas nossas costas, mas que as ondas e o tempo acabam por dissipar, - faz-nos pensar na inqualificação da nossa vida produtiva. Quando nada temos para vender ao mundo civilizado, coisas que lhes interessem e que noós tenhamos tido capacidade para produzir, ainda somos gente para ‘comprar’ o lixo que os outros não toleram e que não sabem como resolver, ganhando em troca umas cascas de cebola.

No movimento do entra e sai constante, (porque, ainda assim, há sempre coisas a saír... enfermeiros, professores e demais gente qualificada), sabe-se que há um galo em exposição em lisboa prontinho para dar o salto e iniciar uma digressão internacional, a começar na China. Para já, está em exibição em lisboa, mas de malas feitas. Malas de galo...
É assim a vida.
Assim se equilibram as importações e as exportações, ou seja a balança comercial deste país. Ora se vende pátria para receber lixo intenacional, ora se vende galo para exposição pacóvia-pop da alma lusitana.
Pelo que percebi, o galo, que é icone de barcelos e que imita em tudo (proporção e forma) o tradicional, está muito bem agasalhado por azulejaria pátria variada, e por milhares de néons, tecnologia chinesa. Um casamento perfeito em tempos de globalização. Tão chinesa, que o comando que deveria ter accionado as luzes e outros demandos tecnológicos, não funcionou. Mau contacto ou falta de pilhas, parece que Costa, o primeiro-ministro que recebeu o apoio de Vasconcelos nas últimas eleições legislativas que levou à erupção desta chamada geringonça, ficou com o comando na mão e, entre sorrisos amarelos e constrangimentos orientais, lá inaugurou o galo-coisa.
É a internacionalização. Da nossa iconografia, do lixo dos outros, etc.
No que diz respeito ao lixo italizano, ao que consta, Portugal pode vir a receber, ao longo de um ano, 60 mil toneladas, que parece que já estarão contratadas.

Na américa, e nestas últimas eleições, quem ficou com um grande galo foram os americanos, parece que mais de cinquenta por cento deles, que lá. Se calhar como cá, não vence quem tem mais votos. Ficaram de comando na mão, quer dizer às portas da união e da inteligência, sem pilhas carregadas, amarelos. Consta que Vasconcelos, já está a montar néons na casa branca. E o cão de água de Obama, vai ser forrado a azulejos.


É a vida.

terça-feira, novembro 01, 2016

bob

Bob Dylan continua sem dar cavaco à academia. Sem dar cavaco é uma forma de dizer. Nem cavaco, nem sinais de fumo... Nada. Pelo menos no momento em que escrevo esta crónica.
Na academia sueca, e imagino as discussões acesas que terão tido lugar à volta daquelas mesas suecas Ikea, discussoes duplas pois, porque primeiro foi preciso montar as cadeiras e as mesas - e o trabalhão que isso dá, não é? - e depois, sentados nelas e à volta dela, discutir nomes e obras literarias até se chegar a um nome, umzinho... e agora, como dizia, na academia sueca reina o silencio. Sepulcral. E ainda por cima por uma causa que demonstra ser a coisa mais silenciosa que existe. Ainda por cima, o energumeno, o improvavel premiado, é um cantautor, um fazedor de musica popular, um gajo que se fartou de cantar a vida toda e agora, nesta materia, nem um dó, nem um mi, nem uma palavrinha de agradecimento, nada.
Muitas razões podem estar associadas a esta ausência silenciosa de Dylan.
Pode não ter pago a conta do telefone e a companhia ter-lhe cortado a linha, por exemplo; pode estar afónico incapaz de verbalizar palavras e, atraves delas, agradecimentos e loas, e entender que a gaita de beiços - alternativa, nao à mao de semear, mas à boca de assoprar - não ser o instrumento adequado para comunicar com a real academia; podem, na dita cuja, não ter o numero certo dele e estarem a insistir em telefonar para alguém que não é ele; pode ter passado perto da casa dele, o senhor que está a monte na zona de arouca, vila real ou sabrosa e dylan pode estar agora muito bem agasalhado na bagageira de um carro; pode nao perceber sueco; pode ter ido fumar um cigarrinho à rua e, verificando que estava a menos de cinco metros de uma escola, ter procurado uma zona mais de acordo com o que a nova lei anti tabágica, em portugal, e a ser aprovada, determina, e estar agora em parte incerta, fumando pensativamente; Pode ter saido para comprar cigarros e até hoje; pode ter sido engolido pelo triangulo das bermudas e só voltar a aparecer, velho e enferrujajado, daqui a umas dezenas de anos; pode ter sido levado por um tufão; pode ter-se recolhido em profunda reflexão para decidir qual o seu voto nas proximas eleições americanas e, por qualquer razão, ainda hesitar entre Trump e Hillary, e nao querer interromper essa rflexão por nenhuma razao do mundo; enfim, tanta coisa pode ter acontecido.
De bob dylan se sabe que, nesta materia, nada se sabe. O que já é alguma coisa. Os intervalos sao sempre coisas minusculas, coisas infimas, entretens de coisas maiores. Porque, tal como ele proprio cantou: aquele que nao está oucupado a nascer, está ocupado a morrer.
Dele se saberá alguma coisa, mal o intervalo se extinga, e o essencial regresse á primeira fase da nossa atenćao. E desconfio que o nobel nao está contido nessa preocupaçao dilãn-niana.

O melhor é a academia reconsiderar e entregar o nobel da literatura a sartre. De certeza que, pelo menos este, desta vez, nao vai recusar.

sexta-feira, julho 15, 2016

o campeonato europeu e a europa

Se a vitória da equipa nacional de futebol no campeonato europeu é épica, sem dúvida que a penalização que portugal vai sofrer da União Europeia é proxeneta.
O que uma coisa tem a ver com a outra, desconheço. Mas vamos à primeira parte desta improvavel equação:
Com a vitória lusa em Paris, por todo o lado hastearam-se as bandeiras e o hino levou uma coça como há muito não se ouvia. Num momento destes, empolgante, perdoamos - pois está claro - as desafinações recorrentes, a prosódia aldrabada, mesmo o texto aqui e ali truncado. Mas quando a canção é entoada muitas vezes, o erro fica insuportável porque muitas vezes repetido. A verdade é que a generalidade dos portugueses não conhece o hino, o texto e o seu arcaboiço simbólico, a música de que é feito, porque não têm na orelha as referências melódicas básicas. Somos duros de ouvido, a começar pelos jogadores que o entoam, habituados ao intervalo primário do sol e dó nacional, recorrências musicais mnimalistas elevadas a ditado e a lei.
Dizem os portugueses, enquanto não chegam à estafada expressão do "não tenho palavras", o que demostra uma iliteracia galopante e uma incapacidade de reflectir com a língua absurda, que a apitadela do árbitro aos cento e vinte minutos do jogo com a frança, foi a porta de entrada para o momento mais feliz das suas vidas. E não é apenas um espectador que o diz... Foram muitos, tantos tantos, que fez mossa. Foram centenas, ao longo das longas horas, os testemunhos ouvidos pelos repórters de todos os orgãos de comunicação social, que afirmaram ser aquele o dia mais feliz das suas vidas. Mas será que não têm vida? Ou que as suas vidas são tão insignificantes que uma vitória - importante vitória, diga-se - os preenche como nenhum outro acontecimento até então? Será que nunca viram uma montanha? Um pôr de sol que não se esquece? Nunca foram espectadores de um arco iris incrivelmente desenhado? Nunca experimentaram uma cerveja a estalar num dia de calor? Nunca comeram umas papas de serrabulho extraordinárias? Nunca se restabeleceram de uma doenca que os enfraqueceu? Para já não falar dos filhos que nascem, dos filhos que se salvam, dum redentor beijo de mãe... Que vidas têm sido as deles, e as nossas, que deixamos esqueceidos todos estes momentos, em prol de um outro, que tem com ele a força incrível e desmesurada do colectivo, como aconteceu agora? É isso que mais importa, as coisas que sofremos e gozamos juntos?
O que é certo é que a vida nao acaba nem começa com o europeu de futebol, com a europa ou tão simplesmente com o euro.
Nao basta a Centeno ter posto o cachecol de Portugal aos ombros (onde é que já vai a ideia do pin na lapela?) e ido para a reunião dos manda-chuvas das contabilidades dos países europeus, lembrando a nossa superioridade, que para eles, a cena é a mesma. Paguem e não bufem. 
Não acenderem as luzinhas da torre eiffel em homenagem aos vencedores é o menos mau dos castigos. Doi porque se vê. 
Já a sansão da europa a Portugal, dói porque se sente.

Não há palavras...

uma crónica antiga - 29 junho

Para todos aqueles que dizem que não há dinheiro em Portugal e que as condições de trabalho em Portugal são escassas e, tatas vezes precárias, aqui está o desmentido. O microfone lançado ao lago pelo capitão da selecção, custa quase trezentos euros. Trezentos. Ora, convenhamos: o lancamento de engenhos que custam trezentos euros o espécime, ainda por cima para lugares tão recônditos e de tão difícil acesso, por exemplo um lago, que impedem a sua recolha imediata e posterior utilização, prova exactamente o contrário. É uma coisa elitista, uma espécie de golfe, Não é bom exemplo, porque não tem taco, no sentido duplo. Mas tem pudle, e caddie, e tem gente muito avantajada a fazer a sua prática elitista. Talvez seja, por razões óbvias, mais parecido com o arremesso de peso, só que sem estilo, o que é uma pena.
O lancamento até nem foi nada de especial. Um pouco efeminado, até. A menor extensão do braço, demasiado relaxado no momento em que larga o engenho, indiciava um gesto pouco empenhado, pouco dedidido, mesmo que a pega do engenho tenha sido uma coisa batalhada. O jornalista numa primeira investida ainda conseguiu defender a propriedade do engenho, segurou-o com vigor, mas na investida seguinte já não conseguiu retê-lo e, no assédio prosseguido, o microfone lá foi, f-f-f-f-f, rompendo o vento, e testemunhando a temperatura da água.
Imagino que o jornalista tenha ficado surpreendido. Ele que só estava a usar o microfone na primeira acepção e primária.
Enquanto que o capitão da selecção lusa, qual criança a quem pôem à frente uma coisa daquelas, com logo em espuma vermelha e tudo, imaginou que poderia fazer com ele outras coisas. Agarrou-o num primeiro impulso e enquanto que jornalista, bisbolheteiro, o defendia sem grande denodo, diga-se, pensando que o putativo entrevistado iria assenhorear-se do futuro engenho mas nesse momento apenas engenhoca para reter a fala e nunca mais o largaria, segurou-o com convicção. Estava longe de imaginar que o putatito entrevistado apenas queria o engenho para se livrar dele imediatamente.
Ao jornalista foi-lhe dito, no momento da sua formação, que o microfone nunca se passa para a mão do entrevistado. O microfone é o símbolo maior do poder praticado na opinião e deve permaner nas mãos, e na posse, da entidade que deve ser poderosa, que deve guardar o poder, o que faz as perguntas e responde perante o patrão do orgão de comunicação. Ao deixar ir o microfone com o entrevistado, seja ele quem for, daixa ir o poder, fica esvaído dele e, a seguir, muito provavelmente, também do emprego, porque entregou o poder que o dono do orgão de comunicação social, detém.
Imagino o bailado do microfone, em câmara lenta. Rodando e rodando, tomando o vento uma vez, dando uma volta sobre si próprio e tornando à aragem outra vez, e assim sucessivamente.
F-f-f-f-f-f-f-f-f-f-f-f-f-f, pluf.
Esta é a língua que o microfone fala.
Uma língua que se cala, trezentos euros depois de sair da loja e depois de muito perdigoto recolhido.

A indemenizacão pedida pelo CMTV não pode ser inferior ao custo do material danificado. 

uma crónica depois do tempo - 14 de junho

Por estes dias, o futebol inunda o mundo, submerge-o absolutamente. Este vai ser um junho afogado, sem espaço nem ar para que livremente se respire. De frança, o campeonato da europa salta para a primeira página das atenções dos portugueses, atiça-lhes a cabeça e a atenção, e não deixa espaço para mais  coisíssima nenhuma.
A atenção dos media é avassaladora.
Na medida da minha exasperação.
Num momento em que vida e morte se proclamam como um grito extraordinario, de portugal para o mundo, é ao futebol que se vai arremedar tema, fazer arder conversa, dirimir pontos de vista.
Os comentadores futeboleiros, que por estes dias se multiplicam como cogumelos, mas dos venenosos, fazem fila em frente dos microfones e câmaras e páginas dos jornais deste mundo e de todos os mundos, com ar de quem sabe tudo, nunca se engana e raramente tem dúvidas, acerca do pontapé na bola e derivados, dando ares de intelectuais iluminados a quem a  humanidade deve agradecimentos sem fim. São insubstituíveis por estes dias, porque só eles existem, mais a sua insuportavel verbe, construída a partir de lugares comuns que, pelo seu basismo, me incomodam, no que não são nem poderiam ser, mas no que insinuam parecer ser, perante a idiotice geral. Mais o Pedro Abrunhosa e o pseudo-hino e o raio que os parta…
Peço desculpa. Entusiasmei-me. Eu que até gosto do Pedro Abrunhosa…
E, contudo, uma crianca nasceu miraculosamente, cento e tal dias depois (dezassete semanas) da morte cerebral da mãe, funcionando essa mãe, para consubstanciar o milagre, como incubadora humana somente. Um milagre da ciência portuguesa e, por isso, um não-mlagre, que tem colhido a admiração geral pelo mundo fora, onde ainda há aldeias e gauleses e espaço para mais que o império romano e as invasões consequentes.
Mas mesmo assim, perante o milagre desta vida que se quis vingada para além da morte da mãe, é só da bola que se fala, como se da vida fosse, e nada menos do que ela.
Ha três dias, num bar de Orlando, um alienado que assistiu ao espectáculo escabroso de dois homens beijando-se, decidiu purgar a humanidade de gente de tal raça, e matou cinquenta, deixando outros tantos feridos com maior ou menor gravidade. Uma atrocidade sem nome que atravessou o coração da humanidade deixando um rasto de destruição. Um acontecimeno realmente importante que a todos deveria questionar, desapareceu das preocupações nacionais. Porque aconteceu com uma comunidade de que queremos distância? Porque aconteceu longe?
E, apesar do horror da noticia e consequente ressaca, é de futebol que as nossas bocas e ouvidos se ocupam, matéria mais importante e mais fundamental para as nossas vidas.
Quem somos nós, de que massa somos feitos, se são assuntos como estes, que deixamos que nos ocupem a atenção por estes dias?
Nao somos melhores que ninguem mas, convenhamos, não nos deixemos fazer piores que ninguém.
Nao nos deixemos embarcar em ridiculos golos cantados na rádio e histórias pseudomágicas que só servem para apoucar a nossa inteligencia.

Entretanto, jogou Portugal. E empatou. A culpa é de Lourenço, Lourenço Salvador, o bebé miraculado, que não torceu suficientemente pela selecção lusa. Definitivamente, não merece a nossa preocupação.